Defensoria Pública, Tribunal de Justiça e Superintendência de Ensino realizam evento “Formando Formadores

0
863

O evento promoveu um diálogo sobre discriminação de gênero, violência doméstica e familiar contra a mulher

Teófilo Otoni – A Defensoria Pública de Minas Gerais, Poder Judiciário e Superintendência Regional de Ensino realizaram na noite desta terça-feira (22/09), o evento “Formando Formadores”, com o tema: Educação como resposta à violência contra mulher. Representantes das três instituições debateram ao vivo sobre o tema, tendo como mediadora a Juíza de Direito da 2ª Vara Cível, Criminal e de Execuções Penais da comarca de Nanuque, dra Aline Gomes dos Santos Silva.

A transmissão foi através do YouTube, canal Família em Foco. Link: https://youtu.be/ gzjXxvy4uoA. O objetivo foi de orientar profissionais da rede de educação estadual sobre como lidar com o problema durante a pandemia de covid-19. Cada expositor teve um tempo para falar, e ao final houve um momento para perguntas e respostas. Foi um evento bastante participativo com educadores de escolas de toda região, muitos comentários elogiosos pela grandeza do debate e dos envolvidos num assunto tão importante, sobretudo, para a mulher.

Sobre a iniciativa de promover o evento, o Juiz de Direito, dr. Emerson Chaves Mota destaca que a Lei Maria da Penha determina que o enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher seja realizado mediante uma integração entre várias instituições. Então foi buscado uma integração entre o Judiciário, Defensoria Pública, Ministério Público e a Superintendência Regional de Ensino e surgiu o evento “Formando Formadores”. “Nós estamos procurando passar para os professores informações que eles necessitam para lidarem com a violência doméstica e familiar que atinge também crianças e adolescentes, nesse período da pandemia. As pessoas estão ficando em casa, alunos estão tendo aula à distância, e precisam então de uma informação mais especializada por causa da estatística desse momento”, disse.

O juiz destaca que a violência doméstica e familiar aumentou no período da pandemia, porque as pessoas estão passando mais tempo em casa, estão convivendo mais. Frisa que violência doméstica e familiar evidentemente que não deveria acontecer, mas infelizmente acontece e os órgãos integrados estão buscando meios de adaptar o enfrentamento às características desse período.

A Defensora Pública da comarca de Teófilo Otoni, dra. Lígia Olímpio falou sobre o projeto inédito que teve início nesta terça-feira (22). Os órgãos estarão dialogando, capacitando e orientando professores da rede pública de ensino da SRE de Teófilo Otoni. O evento debateu a cultura da violência em geral, e as relações de poder no Vale do Mucuri, a discriminação de gênero e violência doméstica e familiar contra a mulher, a Lei Maria da Penha, e as formas que o professor que, durante a pandemia está entrando nas casas dos alunos, das famílias – como ele pode proteger a família, a mulher vítima de violência. “É um momento inédito, muito importante, uma sementinha que está sendo plantada, e plantada na educação, porque nós acreditamos que a educação é uma das principais formas de combate a qualquer violência, notadamente a violência doméstica e familiar contra a mulher”, disse.

Expositores: Márcio Achtschin Santos, professor de graduação e pós- -graduação da Universidade Federal dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha. Bárbara Lívio, juíza de direito da 2ª Vara Cível da Comarca de Teófilo Otoni, integrante da COMSIV e do FONAVID. Lígia Olímpio de Oliveira, defensora pública, coordenadora local e regional da Defensoria Pública em Teófilo Otoni/MG. Emerson Chaves Motta, juiz de direito da 2ª Vara Criminal da Comarca de Teófilo Otoni. Juracy Dantas Gomes, professor da Escola Estadual Alfredo Sá.

ATENÇÃO: Iremos dar continuidade a esse tema trazendo as falas dos demais expositores do evento

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui